segunda-feira, 26 de julho de 2010

Deixa-la-ei...


Não me espere, não estarei nesse caminho que resolveu traçar para mim... Não é mais minha guia... não é mais minha pedra fundamental...


Tu és banal na sua mediocridade... vou me utilizar dos seus meios para te ferir... usá-la hei assim como me usou... transformarei o sentimento que nutri por ti... verás o meu amor, não mais aquele amor adolescente e ingênuo... e sim um que você nunca experimentou... um amor regado de ódio, raiva que não mais existe em mim... a quero perto dos meus sentidos... impregnada na minha pele áspera... não serei mais sua marionete... não serei... não serei... esse será meu mantra...


Não ignoras minha loucura... não pense... não reaja... não mintas... não sejas assim tão puta como está sendo pra mim... essas ações tem limites e meu coração não mais aceita isso tudo... ele está mudado para ti... totalmente... inevitavelmente...


Não sofrerei mais neste inverno, nem na primavera que virá em setembro, estou colhendo as migalhas que me deixou antes das estações mudarem... Metamorfosearei em breve... e sentirás a minha falta, muito mais a que sinto agora...


Deixar-te-ei... um dia... completamente...

2 comentários:

Pequena Noturna disse...

ai,não sei como é possivel alguem não ter feito comentario aqui ainda,fiz uma busca pra saber se estava certo uma palavra que eu tinha usado,e acabou me levando por curiosidade ao seu blog.
E minha nossa que poema *-*
acho que passarei a ler-los quando estiver no Pc sem ter o que fazer.

Pequena Noturna disse...
Este comentário foi removido pelo autor.